15 abril 2016

MEC investe na segurança do Enem com coleta de digital



Todos os candidatos que participarem este ano do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – marcado para os dias 5 e 6 de novembro, uma semana após o segundo turno das eleições municipais – terão a digital do polegar direito coletada pelos fiscais. É mais uma medida de segurança adotada pelo Ministério da Educação (MEC) para evitar fraudes no exame que é a segunda maior avaliação do mundo. As inscrições serão de 9 a 20 de maio e vão custar R$ 68, valor cinco reais mais caro que no ano passado.

“É fraude zero. Cada vez mais estamos eliminando a possibilidade de fraudes e da prova ser realizada por outra pessoa no lugar de quem se inscreveu”, destacou o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, ontem de manhã, durante coletiva em Brasília. A digital será armazenada em uma ficha de identificação onde constam nome, data de nascimento e número de inscrição do estudante. “A ficha permitirá que se tomem providências penais a qualquer tempo depois da realização das provas”, observou Mercadante.

Segundo o ministro, a digital será coletada no primeiro ou no segundo dia da avaliação. Detectores de metal, lacres eletrônicos nos malotes de provas e porta-objetos para que os participantes guardem seus pertences, como telefones celulares, por exemplo, são outras medidas de segurança, adotadas em outras edições do exame, que continuarão este ano.

“Quanto mais seguro o Enem, melhor. Incluir a coleta de digital é uma medida extremamente importante do MEC. Dá mais credibilidade, sobretudo com a adesão cada vez maior das universidades ao Sisu (Sistema de Seleção Unificada)”, comentou o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Particulares de Pernambuco (Sinepe), José Ricardo Diniz.

O Sisu é o sistema online coordenado pelo MEC que substitui o vestibular de 131 instituições públicas de ensino superior. Para concorrer às vagas – em janeiro passado foram 228 mil – é preciso ter feito o Enem.

Sobre o momento de instabilidade política que o Brasil está vivendo, Mercadante garantiu que não há perigo de mudança no cronograma do Enem, independentemente do que acontecer domingo, quando o impeachment da presidente Dilma Rousseff, a quem é ligado, será votado na Câmara dos Deputados.
“O Enem vai acontecer. Os meninos (que concluem o ensino médio) não podem ser influenciados pelo que estamos vivendo hoje. Esqueçam quem é o ministro, estou pedindo para que os estudantes que têm oportunidade este ano não sejam prejudicados. É a chance de o filho da empregada doméstica virar médico”, afirmou à Agência Estado.

INSCRIÇÃO - Não há novidade em relação aos horários e distribuição das provas. No primeiro dia os estudantes responderão testes de ciências humanas e ciências da natureza, com 4h30 de duração e início às 13h30 (horário de Brasília). Redação, matemática e linguagens são as provas do segundo dia, que terão duração de 5h30.

A estimativa do MEC é que haja 8 milhões de inscritos. “Vamos fazer um esforço de divulgação muito grande para chegar a 8 milhões de participantes”, disse o ministro da Educação. Ano passado foram 7,7 milhões de candidatos. Este ano, a taxa poderá ser quitada em qualquer agência bancária, dos Correios ou casas lotéricas. Até a última edição, o pagamento só ocorria no Banco do Brasil.

Para melhorar a comunicação com os participantes, será lançado um aplicativo para smartphone com todas as informações do Enem, como cronograma, dicas e mural, entre outros itens.

PLATAFORMA - O uso de tecnologia para informar os estudantes sobre o Enem e ajudá-los na preparação para as provas é uma das grandes apostas do MEC. Além de um aplicativo, que será disponibilizado nas plataformas Android e IOS, o órgão lançou o programa Hora do Enem (horadoenem.mec.gov.br), que reúne provas comentadas, planos de estudos, programas de TV, vídeos, notícias e dicas.

Para os 2,8 milhões de jovens que concluirão o ensino médio este ano há a chance de participar de quatro simulados online organizados pelo MEC. O primeiro acontecerá na próxima semana, dia 30, com quatro horas de duração. A prova terá 80 itens, com a mesma metodologia de elaboração de questões do Enem.

Os interessados em participar podem se cadastrar até o dia do simulado. O vestibulando que não tiver acesso à internet poderá fazer o teste em uma instituição de ensino superior que o MEC vai indicar. Mas para isso é preciso se inscrever até hoje.

“Com o simulado, o estudante recebe uma nota e sabe como se sairia no Enem”, afirmou Mercadante. O diagnóstico proporcionará ao aluno um plano individualizado de estudo. As notas serão disponibilizadas no dia 2 de maio.

A iniciativa servirá como teste para uma reformulação no exame nos próximos anos. “Se essa experiência do simulado der certo, podemos ter um Enem eletrônico no futuro”, destacou o ministro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário