03 junho 2016

Com 26 mm de chuva, Grande Recife registra pontos de alagamento

Nas últimas 12 horas, o Recife chegou a acumular 26 milímetros de precipitação. Segundo a Defesa Civil da capital, o local mais atingido foi a zona portuária, localizada no Centro. Nas áreas de morro, o acúmulo girou em torno dos 15 mm. De acordo com o órgão, até o momento não houve registro de deslizamentos. Apesar disso, no início da manhã desta sexta-feira (3), a população deve enfrentar mais pontos de alagamento.


No fim da tarde de quinta (2), a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) emitiu um alerta de chuva que está sendo de moderada a forte na Região Metropolitana e na Zona da Mata.
A previsão é que a precipitação se mantenha ao longo do dia, mas com uma intensidade menor que a da última segunda-feira (30), quando quatro pessoas morreram no Recife e em Olinda vítimas de desmoronamentos de barreira. Na terça (31), um homem foi encontrado morto em uma rua inundada, em Jardim Atlântico, Olinda.
Na Cidade Patrimônio, a Avenida Carlos de Lima Cavalcanti, no bairro dos Bultrins, já apresenta trechos completamente inundados. Pedestres já têm dificuldade de andar na via e moradores estão ilhados. Sem conseguir trafegar, um motociclista desceu do veículo que conduzia para empurrar a moto.

No Recife, em caso de problemas, a população pode entrar em contato pelo telefone 0800 081 3400. Já em Olinda, o plantão da Defesa Civil atende pelo 0800 281 2112. A ligação é gratuita e a Central de Atendimento funciona 24h.

Alerta
A precipitação acontece devido a um sistema meteorológico chamado Distúrbio Ondulatório de Leste. Ele ocorre quando há uma grande evaporação de água do oceano – a umidade é trazida para o continente através dos ventos alísios, acarretando assim chuva. Esse tipo de evento é comum nesta época do ano na região, quando ocorre mais precipitações.
A expectativa dos meteorologistas é de chuva entre 40 e 50 milímetros ao longo do dia, menos que os aproximadamente 150 milímetros em três horas registrados na segunda (31). A Apac informou que chove desde quinta (2) na Mata Sul, mas esta chuva se deve à nebulosidade que já provocava chuva em Alagoas.
Na tarde quinta, foram registrados 63 mm em Palmares, 31mm em Gameleira, 32 mm em Xexéu, 26 mm em Água e 27mm em Poção.
Chuva recorde
O mês de maio foi de muita chuva no Grande Recife, especialmente nos últimos dias -12 dos 14 municípios do Grande Recife registraram mais de 100% de percentual acumulado em relação à média histórica do período, enquanto os outros dois chegaram bem perto dessa marca. Olinda, que lidera o ranking, notificou 648 milímetros de precipitações entre os dias 1º e 30. Isso significa que o percentual acumulado em relação à média história na cidade ficou em 199%.
Em Paulista, o percentual acumulado em relação à média foi de 172%. Araçoiaba (171%) e Itamaracá (171%), ficaram em terceiro e quarto lugares, respectivamente. Na capital pernambucana, a média do mês de maio é de 328 milímetros. Entre os dias 1º e 30, no entanto, a cidade tece um acúmulo de 104% em relação a essa média histórica.
Bem perto de atingir a marca de 100% de percentual acumulado em relação à média, Moreno ficou com 94% e São Lourenço da Mata, com 99%.
Olinda também está no topo das tristes estatísticas do temporal da segunda-feira (30). Três pessoas morreram por causa da queda de uma barreira, em Águas Compridas. Eram duas mulheres e uma criança. O outro óbito do dia aconteceu em Passarinho, no Recife. Uma menina de 4 anos ficou sob os escombros após o deslizamento de uma encosta.
Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário