31 janeiro 2017

Bandidos explodem bancos, disparam tiros e usam reféns como escudos humanos



Um dia depois de a Polícia Civil apresentar detalhes da prisão de uma quadrilha acusada de explodir caixas eletrônicos e bancos no interior de Pernambuco e da Paraíba, ladrões voltaram a agir. Na madrugada desta terça-feira (31), homens fortemente armados destruíram a agência do Banco do Brasil e terminais do Bradesco em São Vicente Férrer, na Zona da Mata, distante 85 quilômetros do Recife. De acordo com testemunhas, eles dispararam, para o alto, vários tiros de grosso calibre. A polícia informou que o bando fez reféns e usou eles como escudos humanos.
Os bandidos, de acordo com a polícia, chegaram ao Centro de São Vicente Férrer por volta das 3h. Testemunhas relataram a presença de uma caminhonete. Pelo menos seis homens participaram da ação. Eles estavam vestidos com roupas pretas.
Antes de explodir os terminais bancários, eles pararam no posto de combustíveis do Loteamento Padre Nazareno, na entrada da cidade. Os bandidos pegaram oito pessoas que esperavam transporte para o trabalho. Todas foram colocadas na caçamba de uma caminhonete e levadas para ser usadas como possível proteção em caso de tiroteio.
No Banco do Brasil, o alvo dos bandidos era o cofre, que foi arrombado. No Bradesco, a agência acabou sendo danificada pelo impacto das explosões dos artefatos. Os bandidos conseguiram levar o dinheiro e libertaram os reféns logo depois da ação. Não houve feridos.
Na fuga, os bandidos espalharam grampos nas estradas da região. As peças de metal foram colocadas ao longo de cinco quilômetros da Rodovia PE-89. Uma viatura da PM teve os quatro pneus furados. Testemunhas informaram que os ladrões seguiram em direção ao estado da Paraíba.
Na segunda-feira (30), a polícia apresentou detalhes da ‘Operação Sem Divisas’. Na ação, foi presa uma quadrilha suspeita de agir em Pernambuco e na Paraíba. Ao todo, segundo o delegado Paulo Berenguer, o grupo é responsável por 15 ações ao longo de 2016. Com eles foram apreendidos 49 emulsões explosivas, material suficiente para explodir 196 caixas eletrônicos segundo a polícia.
A investigação, que levou nove meses , teve início com a investida criminosa nas cidades de Macaparana e São Vicente Ferrer em abril do ano passado. Na ocasião, os ladrões deixaram para trás durante a fuga explosivos, projéteis de fuzil, carro queimado e imóveis metralhados.
Dos 22 suspeitos de envolvimento com a quadrilha, a polícia conseguiu prender 16. Dois foram mortos durante troca de tiros com policiais em ações nos municípios e um terceiro foi assassinado. Três estão foragido, sendo um deles um dos líderes da organização. Entre os presos está um vereador da cidade de Alcantil (PB). Ele é suspeito de guardar e transportar o armamento de guerra, além de assassinar um dos integrantes.
Os integrantes da quadrilha são suspeitos de realizarem ações nas cidades pernambucanas de Tacaimbó, Vertentes do Lério, Taquaritinga do Norte, Riacho das Almas, Macaparana, Cumaru, Machados, Santa Terezinha, Condado, Jataúba, Santa Cruz do Capibaribe, Primavera e Belém de Maria.
Entre o material apreendido, 49 emulsões explosivas, detonadores, cordéis detonantes, 25 armas e munições de uso restrito, coletes balísticos e grampos. Entre o armamento, metralhadoras, submetralhadoras, fuzis, revólveres e pistolas. A polícia ainda encontrou com a quadrilha uma parte de caixa eletrônico que foi explodido.

Mapa

Em 20 de janeiro deste ano, o Sindicato dos Bancários de Pernambuco divulgou um balanço das ações criminosas praticadas contra instituições financeiras em 2016. O documento revela que ocorreram, entre janeiro e dezembro, 346 casos de violência em 56 dos 184 municípios pernambucanos. Isso equivale a 30,43% do total de cidades.
O levantamento aponta para 250 arrombamentos e explosões, sendo 176 em locais como mercados e postos de gasolina. O documento revela, ainda, que o Agreste foi a área mais atingida pelas ações. Ao todo, 29 cidades que registraram ações violentas ficam na região. Isso significa 51% do universo afetado.

Em seguida, aparecem a Região Metropolitana do Recife e o Sertão, com nove cidades relacionadas a crimes em 2016, ou 9% do universo atingido. Na Zona da Mata, também foram nove municípios prejudicados.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário