03 janeiro 2017

Líderes de massacre no AM vão para presídios federais, diz ministro





Após o massacre no sistema prisional do Amazonas, que deixou 56 mortos no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) e mais quatro na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), Zona Rural de Manaus, o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, anunciou que, assim que forem identificados, os responsáveis pelo massacre serão transferidos para presídios federais.A decisão foi anunciado durante reunião com o governador do Amazonas, José Melo, na noite dessa segunda-feira (2).
Além das mortes, em apenas 24 horas, foram registradas rebeliões e 184 fugas. 
 "A polícia já instaurou inquérito. Para os líderes que participaram haverá o pedido de transferência a presídios federais", afirmou o ministro em entrevista coletiva.
A rebelião no Compaj durou mais de 17 horas. Houve motim também no Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM) e no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat). Quarenta dos 184 detentos que fugiram foram recapturados, mas 144 seguem foragidos, segundo o último balanço do governo.
Moraes também anunciou auxílio na identificação dos mortos, após o IML registrar tumulto de famílias esperando para reconhecer corpos. "Além da identificação dos autores, nos colocamos à disposição para dar apoio ao IML para acelerar na identificação dos corpos".
Ele ainda destacou o repasse de R$ 45 milhões para o estado, destinados a investimentos em unidades prisionais. "Aqui no Amazonas será possível o aumento de 1,2 mil vagas em penitenciárias, somadas as 3,6 mil vagas que vão estar disponíveis em uma Colônia Penal Agrícola e dois CDPs [centros de detenção provisória], que devem ficar prontos e solucionar essa superlotação", afirmou o ministro.
O dinheiro foi repassado na quinta (29), antes das rebeliões. Já o governador do Estado, José Melo, falou sobre a construção de três novos presídios. "Já temos terreno, os projetos estão prontos. Um presídio será construído em Parintins e outro em Manacapuru. 
Fonte: Minuto a Minuto

Nenhum comentário:

Postar um comentário